A Plataforma de Ciência Aberta (PCA) é um projeto de inovação social que aproxima a ciência, a tecnologia e a inovação do quotidiano das comunidades locais e regionais.  Estabelecida pelo Município de Figueira de Castelo Rodrigo (MFCR), em parceria com a Universidade de Leiden (Países Baixos), é o primeiro hub da rede internacional Open Science Hub ( https://opensciencehub.net/ ), financiada em pelo programa Horizonte 2020 da Comissão Europeia. A rede de 9 países tem como objetivo envolver e apoiar escolas e parceiros locais na utilização de processos de investigação e inovação para resolver desafios locais e contribuir para o desenvolvimento comunitário. 

O trabalho desenvolvido pela PCA assenta em três eixos:

  • Escola Aberta: Promove ambientes educativos que contribuem para o desenvolvimento e bem-estar das suas comunidades, onde os projetos escolares vão ao encontro das necessidades reais da comunidade e são baseados no trabalho colaborativo com parceiros locais. Neste contexto, a PCA tem co-desenvolvido com o Agrupamento de Escolas de FCR) um programa curricular para a disciplina de Cidadania e Desenvolvimento baseado na metodologia de Escola Aberta, que tem vindo a ser implementado ao nível de toda a escola, e que inclui ainda um manual e uma formação certificada para professores de âmbito nacional.

   

  • Ciência Cidadã e Investigação de base participativa: Promove a colaboração entre a comunidade local e a comunidade científica de universidades e institutos de investigação e fomenta a participação dos cidadãos em processos de investigação, com o objectivo de desenvolver soluções sustentáveis para desafios locais. Neste contexto, a PCA integra o projeto internacional de ciência cidadã Rios Potáveis, onde, em colaboração com o AEFCR e a comunidade local, tem procurado investigar o impacto do turismo fluvial do Douro na qualidade da água do rio. Este ano lançou ainda um concurso de ciência cidadã a nível nacional dirigido a investigadores, onde os temas de investigação são definidos pelos cidadãos com base em desafios do território (a consulta aos cidadãos já foi realizada e o concurso para investigadores sairá em breve). Recentemente, juntou esforços com a Rede Intermunicipal de Bibliotecas das Beiras e Serra da Estrela da CIMBSE, o Estrela Geopark Mundial da UNESCO e a Universidade da Beira Interior, na criação da iniciativa aBEIRAr - parceria de ciência cidadã para a valorização do território, que pretende potenciar o envolvimento e a participação cívica com a ciência, promover o diálogo entre cientistas e cidadãos e despertar o interesse da comunidade na construção de conhecimento e valorização do território. A PCA é ainda parceira no projeto H2020 EU-Citizen.Science (https://eu-citizen.science/), focado no desenvolvimento de uma comunidade para a Ciência Cidadã na Europa.

  • Economia Circular: Promove comportamentos mais sustentáveis no uso eficiente e duradouro de recursos, e ao mesmo tempo contribui para a integração da economia circular ao nível de práticas institucionais. Com este objetivo, a PCA criou uma moeda local - Sustento - que recompensa boas práticas de sustentabilidade (e.g. reutilização de resíduos) e a troca por produtos e serviços que promovam hábitos de vida saudáveis (e.g. produtos feitos a partir de resíduos, descontos no ginásio). A PCA-MFCR é ainda parceira no projeto REPLAY dedicado à e reciclagem de brinquedos, e em parceria com a Dualgift, a moeda Sustento está a transitar do formato físico para o digital. Por último, em colaboração com a empresa japonesa NOSIGNER e a Precious Plastic Portugal, a PCA está a desenvolver mobiliário educativo e urbano a partir de plástico reciclado.

 

Em 2021, a PCA passou a integrar a Rede de Centros de Ciência Viva enquanto membro associado.